6 de dezembro de 2015

A Carta que te escrevi


Hoje escrevi-te uma carta. Penso ter sido a derradeira. Nela escrevi tudo o que me feria, traduzi em meras palavras aquilo que me fazes sentir há longos e áridos meses, contudo não derramei mais do que a tinta necessária. Hoje escrevi-te uma carta mas não me lamentei, limitei-me a ser directa por isso, não te preocupes em ler-me nas entrelinhas, não será necessário! Escrevi-te uma carta que, provavelmente nem vai ser lida e, na eventualidade de ser, talvez seja lida tarde de mais porque, ao contrário do que nos dizem, o tempo importa para aqueles que gostamos. Hoje, em breves minutos, num impulso incontrolável, escrevi-te uma carta e, quando terminei senti-me leve, porque, apesar de tudo, dediquei-te mais um bocadinho de tempo da minha vida a querer saber de ti, e mesmo que não te interesse, soube-me bem saber que fiz tudo o que pude.
Hoje escrevi-te uma carta, sim, uma carta, daquelas que já ninguém escreve por ter medo da frontalidade. Pela primeira vez escrevi-te no passado, num passado que acaba de começar, um passado cheio de recordações que, prometo, me aquecerão sempre o coração, mas, será sempre passado. No fundo, sabes tão bem quanto eu que o verbo querer não tem imperativo.
Sim, hoje escrevi-te, escrevi-te a última carta que irás receber minha, selei-a com votos de felicidade sincera porque não te guardo rancor mas sei que, ao enviar, foi a última.
Ah... hoje escrevi-te!

18 comentários :

  1. Chega a uma altura em que necessitamos de libertar as palavras e todos os sentimentos que elas carregam, como se esse processo nos ajudasse a sarar feridas e/ou a compreender determinadas coisas.
    Adorei!

    r: Muito obrigada, minha querida *.*

    ResponderEliminar
  2. r: um otimo mês para ti tambem! Obrigada pelo apoio...
    Tudo se vai resolver, com o tempo ... pode demorar mas resolve...

    ResponderEliminar
  3. Gosto imenso. Também escrevo muitas cartas:P

    ResponderEliminar
  4. Escreveste, mas provavelmente nunca vai ser lida por quem pretendias. Escreveste, mas nem sempre se consegue entender o que sentes. Escreveste e eu gostei do que li.

    ResponderEliminar
  5. Ás vezes é preciso coragem de escrever uma carta, seja a quem for :p
    gosto muito daquilo que escreves, sabias? :))
    tenho saudades tuas <3

    ResponderEliminar
  6. Que lindo! Também preciso sentir essa leveza de alguma forma. Nem que seja mesmo a escrever uma carta!

    ResponderEliminar
  7. Gostei, mas fiquei na dúvida se é verdade ou não que essa carta realmente existe... E se for, não sei como estás :s

    ResponderEliminar
  8. Por incrivel que pareça são estas pessoas que nos prendem mais!

    ResponderEliminar
  9. E que bela descoberta este cantinho! Gosto da forma como escreves. Vou seguir também :)
    Um beijinho*

    ResponderEliminar
  10. r: Óhh fofinhaa :) eu estou bem, obrigada! também tenho saudades de escrever.. mas tem sido complicado. E tu, como estás fofinhaa? <3

    ResponderEliminar
  11. r: já devias saber que eu não vejo series :p

    ResponderEliminar
  12. r: Vou tentar apostar mais em textos daquele género :)
    Muito, muito obrigada!
    Só pelo trailer deve estar incrível *.* e acho mesmo interessante o facto de serem duas histórias em paralelo

    ResponderEliminar
  13. Bonito e profundo... Gostei!

    R: Espero que sim!

    ResponderEliminar
  14. Uau Ísis, ameiiii!

    Amei conhecer seu blog, vc escreve muito, muito bem!

    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Tão bom, tão bonito...
    Nem sabes o quanto me senti a reviver nesse texto...

    ResponderEliminar